Você não consegue emagrecer?

Você não consegue emagrecer?

Normalmente nos focamos apenas a nível físico, no corpo, programamos dieta e exercícios, mas não entendemos que comer demais tem relação com compensações para problemas emocionais.

Sempre que sentimos ansiedade, dor, tristeza, medo, culpa, nos desestabilizamos emocionalmente e queremos compensar rapidamente essas sensações com alegria instantânea em forma de endorfina liberada pela comida. Procuramos preencher esse vazio com alguma coisa, nem que seja com comida não é mesmo??

O problema é que segundos depois, vem a sensação de culpa por ter comido em excesso, isso tudo acaba gerando um ciclo de frustração. Quando você sente o impulso para comer ele é tão incontrolável que mesmo que você saiba que não deve comer, não consegue ter o controle de parar ou pensar em fazer outra coisa. Quando o gatilho é acionado, não tem volta, é muito difícil controlar.

Quando o objetivo é emagrecer, deve ser criar uma consciência sobre a alimentação saudável como estilo de vida, e não como um período de dieta restritiva. Isso funciona melhor porque trabalhamos nossa mente de forma diferenciada, para que não gere mais conflito interno.

O conflito acontece porque quando pensamos em dieta, nossa mente aciona o botão da escassez e faz com que inconscientemente queira armazenar estoque de gordura, já que ela entende que vai faltar no período da dieta. É o nosso sistema mais primitivo de sobrevivência, e como ele já está alojado no nosso cérebro, fica difícil driblar esse mecanismo de proteção.

Outro fato sobre a dificuldade de emagrecer são os eventos sociais, datas comemorativas, se você observar, todos os dias temos motivos para comemorar, saída com amigos, confraternizações em família, aproveitar o final de semana, etc… Então, esperar esses eventos acabarem para iniciar uma reeducação alimentar, faz você protelar eternamente esse passo e viver em estado de frustração.

Preste atenção nessa dica: Observe, isso mesmo, durante o processo de reeducação alimentar procure se observar e veja o que te leva a comer, digo isso porque existe a fome física e a fome emocional. E é aí que mora o segredo, a fome física vem de tempos em tempos, aumentando gradualmente e quando comemos o suficiente já nos sentimos saciados. Já a fome emocional vem do nada e geralmente com uma urgência que nos faz querer comer em grande quantidade algum alimento específico ou qualquer coisa que surja na nossa frente. Essa e a hora de observar, o que disparou esse gatilho? Qual foi a emoção que sentimos antes de ter essa vontade?

Quando criamos o hábito de entender a fonte da nossa fome emocional, temos uma chave poderosa para gerar a mudança de comportamento e não ficarmos mais reféns desse ciclo que é: conflito interno, alívio na comida, culpa e frustração.  Procure buscar tratamento para esses problemas que você identificar, ansiedade, medo, etc… ao tratar esses anseios, a alimentação equilibrada e o emagrecimento vão vir como consequência e o melhor de tudo, sem sofrimento, sem privação.

Carolina Maino
Carolina Maino
Graduada em Relações Públicas com MBA em Gestão Empresarial pela FGV, Possui formação internacional em Coaching pela SLAC (Sociedade Latino Americana de Coaching), é Analista de Professional Assess Certification, desenvolvendo habilidades de avaliação e construção de Modelo de Competências, Analista DISC (Avaliação de Perfil Comportamental) e Practitioner em Programação Neurolinguística.

Os comentários estão encerrados.