Você conhece os princípios do Reiki?

A prática do Reiki proporciona, além de um estado de relaxamento profundo e benefícios cientificamente comprovados, técnicas auxiliares de percepção e consciência por meio de seus princípios básicos.
Os princípios básicos do Reiki foram criados pelo precursor da técnica, Dr. Mikao Usui, como forma de incentivar o indivíduo a se perceber diariamente.

Após experienciar a aplicação do Reiki em mendigos, na esperança de reintegrá-los na sociedade, ele identificou que apesar de fortalecidos, eles preferiam retornar às ruas ao invés de demonstrar suas capacidades por meio do trabalho. Foi então que ele percebeu, que não basta a cura física, mas é necessário a cura mental e emocional.

O Reiki auxilia na identificação da origem dos desequilíbrios, contudo, se o indivíduo permanecer com as mesmas crenças e atitudes, as enfermidades, sejam físicas ou emocionais, retornarão e ele criará uma dependência do tratamento ou técnica aplicada.
Diante dessa análise, Dr. Usui criou os cinco princípios do Reiki, um chamado a uma reflexão diária de atitudes e condutas repetitivas que ocasionam o desequilíbrio:

Só por hoje, não te preocupes.
Só por hoje, não se zangue.
Só por hoje, seja grato.
Só por hoje, trabalhe honestamente.
Só por hoje, seja gentil com todos os seres.

Vamos refletir sobre o primeiro princípio: “Só por hoje, não te preocupes”, preocupação, substantivo feminino.
1. Prevenção, opinião antecipada, ou a primeira impressão que uma coisa fez no ânimo de alguém.
2. Ideia fixa e antecipada que perturba o espírito a ponto de produzir sofrimento moral.
3. Perda da tranquilidade de espírito, devida ao interesse ou sentimento de responsabilidade que se tem por certas pessoas ou coisas; cuidado.
4. Atenção dirigida exclusivamente a alguma pessoa ou coisa.
5. Pensamento dominante, que se sobrepõe a qualquer outro.

A pré-ocupação nos tira do momento presente, expressa medo do desconhecido ou futuro, ansiedade. A preocupação afeta nossa saúde física, emocional e mental, uma vez que cria um sentimento de alerta constante ao perigo, causando o desequilíbrio.
Quando sentir-se preocupado, faça as seguintes reflexões:

Neste momento, onde estou?
Neste momento, corro perigo?
Neste momento, qual o temor em relação a esta situação?

A observação de nossos medos por si só, diminui sua força. Em meio a uma sensação mais calma, crie pequenos e possíveis movimentos de ação para solução da situação que lhe preocupa.

 

 

Katlen Berton
Katlen Berton
Tem formação em Direito pela Universidade de Caxias do Sul com MBA em Gestão Empresarial pela Unisinos. Membro da Associação Brasileira de Direito e Administração [ABD&A]. Obteve qualificação em diversos cursos na área de Gestão, Administração e Relacionamento com o Cliente, acumulando 20 mil horas de experiência em gestão de equipes e relacionamento com o cliente.

Os comentários estão encerrados.