Transição de carreira

Back view of businesswoman standing on crossroads and making choice

Quando pensamos em fazer uma transição de carreira, muitos medos e preconceitos vem na nossa mente. Um dos maiores problemas é que vemos tudo o que foi feito antes, como uma perda de tempo e de investimento. Dá aquele vazio e uma frustração de pensar que tudo foi em vão. Essa é a primeira sensação que vem e que nos deixa apegados ao que fizemos até o momento, como se não pudéssemos mais mudar.

Num segundo momento, quando pensamos que a mudança é necessária e vai ser para o melhor, aí vem outros tipos de boicote, como por exemplo: começar do zero. Esse é um dos grandes medos, em qualquer situação de mudança, pois começar do zero implica em enfrentar o desconhecido. É normal do ser humano, querer percorrer caminhos já conhecidos e seguros. Então além de ter que enfrentar esse medo, temos que pensar em todo o tempo e investimento que teremos que dedicar até ver o retorno chegar. Isso também assusta, pois traz a sensação de instabilidade, financeira e emocional, traz insegurança, porque não sabemos se vai dar certo, entre tantos outros sabotares quando o assunto e mudança.

Outra coisa que nos impacta muito, é a identidade que temos relacionada com a profissão atual, se desistirmos dela, quem seremos? Então tem que trabalhar essa questão também, para entender que nós não somos o cargo que exercemos, não somos o carro que temos, ou seja, nossa essência é sempre confundida com nossas aquisições, nosso status. Quando pensamos em transição de carreira ou mudança total de carreira, o primeiro passo é entender a motivação dessa mudança, por que queremos essa mudança e a partir disso, tomamos a decisão de enfrentar as consequências dela.

Posso citar o meu caso: quando eu decidi abrir mão do meu negócio, começar do zero na carreira de coach e iniciar a faculdade de Psicologia, eu passei por esses medos todos, mas o que fez a diferença foi o seguinte: eu estava na terapia e meu psicólogo disse – Carol, o que são 4 anos de estudo, iniciando a faculdade agora, perto dos 40 anos que tu tens pela frente para exercer essa profissão? Ou seja, eu estava com medo de iniciar uma faculdade do zero, mas não estava avaliando que se não fizesse isso, o que eu faria nos meus próximos 30 ou 40 anos de vida profissional? Ficaria estagnada fazendo somente o que eu já sabia e que já havia me dado conta de que não era o que me deixava feliz?

Ao decidir fazer a faculdade, comprei meu primeiro jaleco bordado com meu nome e escrito psicologia abaixo, eu parecia uma criança no primeiro ano da escola, fiquei tão emocionada e feliz, pois sabia que estava no caminho certo. Nessas pequenas coisas que nos damos conta, do brilho no olho, da motivação e da certeza de realizar nosso propósito interior. Isso não tem preço. Nunca é tarde para começar do zero e quanto antes damos o primeiro passo, antes chegaremos lá.

 

Nunca desista dos seus sonhos! 🙂

Carolina Maino
Carolina Maino
Graduada em Relações Públicas com MBA em Gestão Empresarial pela FGV, Possui formação internacional em Coaching pela SLAC (Sociedade Latino Americana de Coaching), é Analista de Professional Assess Certification, desenvolvendo habilidades de avaliação e construção de Modelo de Competências, Analista DISC (Avaliação de Perfil Comportamental) e Practitioner em Programação Neurolinguística.

Os comentários estão encerrados.