As Três Leis do Amor

Constelação familiar é uma nova perspectiva terapêutica, organizada pelo alemão Bert Hellinger. Surgiu após observar princípios provenientes de várias escolas terapêuticas, tais como: Terapia de Comportamento de Gestalt, o Psicodrama de Moreno, a Hipnoterapia de Milton Ericsson, o Grito Primário de Arthur Janoff, entre outras.
Hellinger associou a esse trabalho sistêmico três leis que, se respeitadas, deixam todo o sistema familiar em harmonia, todavia quando qualquer dessas leis é ignorada ocorre o desequilíbrio desse sistema familiar.

As três leis associadas por Hellinger ao trabalho sistêmico são: o pertencimento, a ordem/hierarquia e o equilíbrio.

 

Pertencimento
“Pertencer à nossa família é nossa necessidade básica. Esse vínculo é nosso desejo mais profundo. A necessidade de pertencer a ela vai além até mesmo da nossa necessidade de sobreviver. Isso significa que estamos dispostos a sacrificar e entregar nossa vida pela necessidade de pertencer a ela”, ou seja, já nascemos com a necessidade de pertencer ao nosso núcleo e, em prol disso, faremos tudo que for preciso para nos encaixar, até mesmo morrer.
Temos isso por direito, por ter nascido naquele sistema, motivo pelo qual não são toleradas exclusões, tudo e todos têm o direito de pertencer. Caso alguém seja excluído do sistema, um descendente poderá se identificar e tomar para si a missão de reincluir aquele familiar, repetindo o seu comportamento e seu destino a fim de ser visto, reconhecido e incluído.
Ainda sobre o pertencimento, Hellinger afirma que: “nossa alma coletiva dá importância fundamental à sua completude. Muitas vezes um indivíduo é excluído por não satisfazer às exigências morais desse grupo. A ordem espiritual superior que concede a todos os que pertencem o mesmo direito de pertencimento não tolera exclusões. Se, mesmo assim, isso ocorrer, ela coloca um movimento em ação que resgata o excluído utilizando outro membro da família como representante. ”

 

Hierarquia ou ordem
“O ser é estruturado pelo tempo. O ser é definido pelo tempo e através dele, recebe seu posicionamento. Quem entrou primeiro em um sistema tem precedência sobre quem entrou depois. Sempre que acontece um desenvolvimento trágico em uma família, uma pessoa violou a hierarquia do tempo.”. Segundo Hellinger, quem veio antes é maior e tem prioridade. Portanto, nos sistemas familiares, tem mais direito o que esteve primeiro, pais sobre os filhos, irmãos mais velhos sobre os irmãos mais novos, etc….

 

Equilíbrio
“O que dá e o que recebe conhecem a paz se o dar e o receber forem equivalentes.” Essa lei é aplicada somente para as pessoas que estão no mesmo nível hierárquico, não pode ser aplicada a pais e filhos, por exemplo, uma vez que os pais nos deram algo que jamais conseguiremos retribuir que é a VIDA.
Para as demais relações, nas quais a hierarquia é nivelada, a lei do equilíbrio deve ser observada a fim de manter-se o vínculo e o relacionamento. O segredo das relações e trocas positivas é sempre dar um pouco a mais. Desse modo, o outro vai querer devolver mais, e isso faz com que a relação cresça com o tempo, sempre de forma positiva. Em troca, quando se recebe algo negativo, o receptor deve buscar o equilíbrio, demonstrando ao outro que o recebeu não lhe agradou, mas devolvendo sempre menos, fazendo com que a troca negativa desapareça.

 

Hellinger afirma que onde existem pessoas convivendo, essas três leis estarão atuando, quer as pessoas tenham consciência ou não. E mais, afirma que o desrespeito a qualquer uma dessas leis irá descompensar o sistema. E um sistema descompensado busca a compensação em algum membro da família, ou seja, a descompensação do sistema gera os emaranhamentos que são situações em que “alguém da família retoma e revive inconscientemente o destino de um familiar que viveu antes dele.”
Assim, a terapia sistêmica denominada Constelação Familiar, permite, para a pessoa que se submete a ela, trazer à luz os emaranhados que estão presentes no seu sistema familiar e lhe dá possibilidade de reequilibrar esse núcleo, evitando que esses emaranhados continuem influenciando seu próprio destino ou o destino de outros membros da família.

 

Bibliografia
HELLINGER, Bert. A cura: tornar-se saudável, permanecer saudável. 1 ed. Belo Horizonte: Editora Atman, 2011.
HELLINGER, Bert. Ordens do amor: um guia para o trabalho com constelações familiares. 1 ed. São Paulo: Cultrix, 2007.
HELLINGER, Bert. A simetria oculta do amor. 1 ed. São Paulo: Cultrix, 2008.
HELLINGER, Bert e TEN HOVEL, Gabriele. Constelações Familiares: o reconhecimento das ordens do amor. Tradução Eloisa Giancoli Tironi. 1 ed. São Paulo: Cultrix, 2007. 2007. p. 55-64.
CASTILHO, Carola. Ecos do passado: trabalho terapêutico sistêmico em constelações familiares. 1 ed. Curitiba: Artêra, 2016.

Mariana Michelon
Mariana Michelon
Mariana é consteladora familiar formada pela Universidade de Caxias do Sul em parceria com o CELPI, Professional & Self Coach formada pelo Instituto Brasileiro de Coaching, advogada formada pela Universidade de Caxias do Sul.

Os comentários estão encerrados.